Tudo começou com Manuel Joaquim Martins de Castro, Pai de José Gadelho Castro, o conhecido «Zé Pacheco», que era um dos principais comerciantes de leitões na zona Norte.

Pode-se afirmar que o «Zé Pacheco», revolucionou o comércio de leitão no Norte, começando desde muito novo a vender leitões nas feiras.

Foi aperfeiçoando o negócio, dedicando-se só à actividade de assar leitões, conseguindo de certa forma habituar o norte de Portugal a comer leitão.

As primeiras instalações foram a sua casa, que se tornaram pequenas passado algum tempo.

Nessa altura, José Gadelho de Castro, decidiu adquirir o prédio que ainda hoje em dia é conhecido como o «Zé Pacheco», onde é produzido em fornos alimentados exclusivamente a lenha, o seu reputado leitão assado.

Esta empresa que começou com a iniciativa de um homem, tem hoje 40 empregados, profissionais dedicados e com um carinho muito especial pelo trabalho que realizam.

Entre os principais clientes, contam-se as mais conceituadas confeitarias e hotéis da cidade do Porto, que desde há 30 anos nos honram com a sua preferência.

O nosso segredo começa na compra do leitão vivo, onde uma criteriosa selecção pessoal do «Zé Pacheco», determina a escolha dos leitões com as melhores características para serem assados.

O abate dos leitões, obedecem a rígidas regras que regem todas as fases deste processo.

Outros dos segredos, diz respeito ao leitão utilizado, que tem de ser assado em fornos próprios e aquecidos a lenha.

O ‘toque final’ e que torna o leitão assado «Zé Pacheco» tão especial, é dado pelo nosso molho, feito com ingredientes da melhor qualidade e cuja composição é segredo.